Estado de Goiás

Regulamento da Bolsa Permanência  

Aprovado pela Resolução CsU n. 17, de 27 de março de 2013

(Clique para baixar em PDF)

 

REGULAMENTO DA BOLSA PERMANÊNCIA  

DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

 

 

CAPÍTULO I

DA NATUREZA, FINALIDADE E VINCULAÇÃO

 

Art. 1º A Bolsa Permanência visa propiciar a permanência de acadêmicos da Universidade Estadual de Goiás – UEG – nos cursos de graduação presencial, classificados em condição de vulnerabilidade socioeconômica, de forma a garantir o prosseguimento de suas atividades acadêmicas na UEG.

 

Art. 2º A vinculação do acadêmico à Bolsa Permanência constitui-se em instrumento de integração social e de aperfeiçoamento acadêmico, científico, profissional e cultural que lhe proporcionará a complementação do processo de ensino-aprendizagem, por meio do desenvolvimento de atividades orientadas e relacionadas à sua área de formação e conhecimento.

 

Art. 3º A gestão da Bolsa Permanência ficará vinculada à Reitoria.

 

CAPÍTULO II

DA DURAÇÃO E DA CARGA HORÁRIA DA BOLSA PERMANÊNCIA

 

Art. 4º  A Bolsa Permanência terá a duração de 10 (dez) meses, com vigência de março a dezembro de cada ano letivo, podendo ser renovada por períodos sucessivos, observado o prazo máximo para a integralização curricular e realidade socioeconômica do bolsista, entre outros critérios especificados neste Regulamento.

Parágrafo único. A continuidade da bolsa concedida a acadêmicos de cursos semestrais será avaliada no mês de agosto.

 

Art. 5º A carga horária a ser cumprida pelo bolsista vinculado à Bolsa Permanência será de 16 (dezesseis) 32 (trinta e duas) horas mensais, cujo cumprimento deverá ocorrer em horário compatível com a sua matriz curricular, a área de atuação e/ou possibilidade de colaboração técnica, mediante Plano de Atividades apresentado e elaborado com auxílio de um tutor, professor ou técnico-administrativo de nível superior. (Nova redação dada pela Resolução n. 066/2013)

 

CAPÍTULO III

DO AUXÍLIO FINANCEIRO

 

Art. 6º O acadêmico bolsista contemplado com a Bolsa Permanência perceberá um auxílio financeiro mensal, cujo valor e quantitativo será estabelecido, anualmente, por meio de Resolução do Conselho Universitário, em conformidade com a disponibilidade orçamentária da UEG.

§1º O quantitativo será proposto anualmente pela Reitoria e definido pelo Conselho Universitário, buscando a concessão de bolsas de forma a atender acadêmicos de todas as Unidades Universitárias.

§2º Caso a Unidade Universitária não tenha acadêmico que se enquadre como bolsista, o quantitativo de bolsas alocadas para a Unidade poderá ser remanejado para outra Unidade, por um ano letivo, considerando o número de acadêmicos matriculados que se enquadrem como bolsista.

 

 

CAPÍTULO IV

DA CONCESSÃO E SELEÇÃO DOS BOLSISTAS

Art. 7º Para candidatar-se a uma Bolsa Permanência, o acadêmico deverá comprovar:

I -  não ter concluído outro curso de graduação;

II - estar matriculado e cursando regularmente Cursos de Graduação na UEG; (Nova redação dada pela Resolução n. 2/2015, Ad Referendum, homologada)

II - sua matrícula regular em curso de graduação na UEG, demonstrando estar cursando a carga horária semanal do período letivo, conforme estabelecido no projeto pedagógico do respectivo curso. Não será concedida bolsa a acadêmicos com matrículas em algumas disciplinas do período letivo;

III - ter renda per capta de até meio salário mínimo ou renda mensal familiar total de até 3 (três) salários mínimos; (Nova redação dada pela Resolução n. 2/2015, Ad Referendum, homologada)

III -   ter renda per capita familiar (pai, mãe e irmãos pela composição da renda familiar e/ou outras pessoas com renda na casa) de até 1,5 salário mínimo vigente;

IV - não receber qualquer outra bolsa paga por programas oficiais;

V - atender ao edital que estabelecerá o número de bolsas, os critérios de seleção, documentação exigida, o prazo e o local da inscrição, entre outros.

 

Art. 8º Será inscrito o acadêmico que apresentar o questionário socioeconômico e cultural devidamente preenchido e assinado, disponível em local determinado pelo edital de seleção, com cópia dos seguintes documentos anexados:

I – documentos pessoais:

a) RG e CPF;

b) declaração da Secretaria Acadêmica que comprove que o acadêmico encontra-se matriculado e cursando regularmente; (Nova redação dada pela Resolução n. 2/2015, Ad Referendum, homologada)

b) declaração da Secretaria Acadêmica dando conta de que o acadêmico encontra-se matriculado e cursando todas as disciplinas do período letivo, conforme matriz curricular.

II – documentos do grupo familiar, tais como:

a)   declaração de Imposto de Renda do último exercício e CPF dos pais ou responsáveis;

b)   comprovante de rendimentos relativo aos últimos 02 (dois) meses de todos os membros que contribuam para a renda familiar;

c)   documentação fornecida pelo INCRA (Declaração de Propriedade ou Declaração Anual de Rendimentos Agrícolas), no caso de o pai ser proprietário rural ou sitiante, ou escritura de casa própria, se proprietário urbano;

d)  contracheque ou cópia da Carteira de Trabalho, no caso de pais assalariados;

e)   declaração assinada pelo responsável pelos rendimentos, com firma reconhecida e com a assinatura de duas testemunhas, nos casos de pais autônomos;

f)    comprovante de proventos, nos casos de pais aposentados e/ou pensionistas;

g)   certidão de óbito, nos casos de pais falecidos;

h)   documento da autoridade competente, no caso de pais separados judicialmente;

i)    comprovante de despesa com educação e com saúde, caso tenha dependentes ou irmãos menores de idade;

j)    comprovante de pagamento de aluguel ou financiamento da casa própria do acadêmico ou da família;

k)   comprovante de endereço da família (conta de água ou energia do mês anterior);

l)    outros documentos julgados necessários e especificados no respectivo edital.

Parágrafo único. A inscrição será indeferida se não estiver acompanhada da documentação necessária, conforme o edital.

 

Art. 9º O Comitê Local de Acompanhamento de Bolsas é responsável pela realização das inscrições, seleção e classificação dos acadêmicos inscritos de acordo com os critérios estabelecidos neste Regulamento e em edital específico.

 

Art. 10. A Coordenadoria Central de Bolsas, vinculada à Reitoria, supervisionará os procedimentos de inscrição, seleção e classificação dos acadêmicos inscritos para deliberação da concessão de bolsas, de acordo com o quantitativo e valor aprovados pelo CsU.

 

Parágrafo único. A inveracidade e/ou omissão de informações acarretará a eliminação do candidato inscrito e posteriormente a suspensão do pagamento da bolsa, independentemente da época em que for constatada a sua ocorrência, sujeitando-se o acadêmico a processo administrativo, observado o disposto na legislação pertinente, assegurado a ampla defesa e o contraditório, bem como a devolução dos recursos recebidos.

 

Art. 11. Em caso de empate, os critérios de desempate serão os seguintes:

I -    menor renda per capita familiar;

II - acadêmico que possui prole;

III -   ser membro de família de trabalhador rural ou sitiante;

IV -   acadêmico mais idoso.

(incisos revogados pela Resolução n. 2/2015, Ad Referendum, homologada)

 

CAPÍTULO V

DOS DIREITOS E DAS OBRIGAÇÕES DO BOLSISTA

 

Art. 12. O acadêmico contemplado com a Bolsa Permanência poderá se afastar das atividades, sem a perda do auxílio correspondente, nas seguinte hipóteses:

I - para licença-maternidade, nos termos da Lei n. 6.202, de 17 de abril de 1975;

II - por motivos de saúde, nos termos do Decreto-Lei n. 1.044, de 21 de outubro de 1969;

III - para participação, mediante a prévia comprovação da sua participação e autorização do tutor, em atividades acadêmicas vinculadas à sua área de formação, tais como congressos, seminários ou similares, bem como a reuniões de órgão deliberativo, na condição de representante discente;

IV - para período de recesso que deverá ser acordado junto ao tutor, sem compensação de sua carga horária;

V - para seu casamento, em até 5 (cinco) dias consecutivos;

VI - para luto de até 8 (oito) dias consecutivos em razão de falecimento de pessoa do núcleo familiar.

Parágrafo único. Para o acadêmico bolsista afastado nos casos previstos neste artigo, não haverá substituição no período de afastamento.

 

Art. 13. São obrigações do acadêmico bolsista:

I - elaborar o Plano de Atividades sob a orientação e auxílio do seu tutor;

II - apresentar bom desempenho acadêmico, sendo aprovado em todas as disciplinas;

III - cumprir carga horária de 16 (dezesseis) 32 (trinta e duas) horas mensais, em um cronograma definido junto ao seu tutor no Plano de Atividades; (Nova redação dada pela Resolução n. 066/2013)

IV - desenvolver as suas atividades de acordo com o Plano de Atividades;

V - comunicar, juntamente com o tutor, ao Comitê Local de Acompanhamento de Bolsas da Unidade Universitária da UEG quaisquer modificações relativas às suas atividades propostas;

VI - encaminhar ficha de frequência assinada pelo tutor ao Comitê Local de Acompanhamento de Bolsas da Unidade Universitária, juntamente com o tutor, até o dia 05 (cinco) do mês subsequente;

VII - preencher, ao término do período de concessão de bolsa, o relatório final de atividade;

VIII - comunicar, previamente, ao seu tutor o seu desligamento ou impedimento para permanência na bolsa;

IX - comparecer aos eventos destinados aos bolsistas promovidos pela UEG;

X - comunicar à Coordenadoria de Bolsas a sua melhoria socioeconômica;

XI - fazer referência à sua condição de bolsista nas publicações e trabalhos apresentados;

XII - cumprir as demais exigências contidas neste Regulamento e edital de seleção.

 

Art. 14. O acadêmico contemplado com a Bolsa Permanência não poderá acumulá-la com outro tipo de bolsa concedida pela UEG ou por órgãos ou entidades externos.

 

Art. 15. O envio do parecer sobre a ficha de frequência mensal do bolsista e do tutor pelo Comitê Local de Acompanhamento de Bolsas da Unidade Universitária para a Coordenadoria Central de Bolsas, até a data limite, é critério determinante para a liberação do pagamento mensal da bolsa aos bolsistas.

 

CAPÍTULO VI

DO ACOMPANHAMENTO

 

Art. 16. O responsável pelo acompanhamento do bolsista deverá atender aos seguintes requisitos:

I - ser professor ou servidor técnico-administrativo lotado na Unidade Universitária em que o bolsista está matriculado e deverá manifestar sua adesão por meio de formulário próprio;

II - se dispor a elaborar o Plano de Atividades junto ao bolsista;

III - se dispor a orientar, supervisionar e acompanhar a execução das atividades do bolsista;

IV - assinar, mensalmente, o formulário de ficha de frequência das atividades e avaliação do bolsista.

 

Art. 17. Compete ao tutor:

I - colaborar com o bolsista na elaboração de um Plano de Atividades a ser executado semestralmente, bem como na produção textual;

II - acompanhar as atividades a serem desenvolvidas pelo acadêmico bolsista, de acordo com o Plano de Atividades apresentado;

III- encaminhar, juntamente com o acadêmico bolsista, ao Comitê Local de Acompanhamento de Bolsas da Unidade Universitária da UEG, mensalmente, até o dia 5 (cinco) de cada mês, o relatório de frequência e avaliação do desempenho do acadêmico bolsista, de forma a garantir a permanência da bolsa;

IV - comunicar formalmente ao Comitê Local de Acompanhamento de Bolsas da Unidade Universitária da UEG quaisquer anormalidades relacionadas com o acadêmico bolsista;

V - exercer a tutoria do bolsista.

 

CAPÍTULO VII

DA RENOVAÇÃO DA BOLSA PERMANÊNCIA

 

Art. 18. Poderá pleitear a renovação do seu vínculo com a Bolsa Permanência o acadêmico que:

I - mantiver a condição de vulnerabilidade social e econômica mediante solicitação de renovação, com apresentação dos documentos descritos no art. 8º;

II - apresentar frequência superior a 75% (setenta e cinco por cento) das atividades correspondentes a cada disciplina cursada no semestre anterior;  (Nova redação dada pela Resolução n. 2/2015, Ad Referendum, homologada)

II -    apresentar frequência superior a 80% (oitenta por cento) das atividades correspondentes a cada disciplina cursada nos dois semestres anteriores;

III - ter no máximo 2 (duas) reprovações das disciplinas cursadas no semestre anterior; (Nova redação dada pela Resolução n. 2/2015, Ad Referendum, homologada)

III -   obtiver a aprovação em todas as disciplinas cursadas no semestre letivo;

IV - não solicitar trancamento de matrícula;

V - tiver avaliação satisfatória no desempenho das atividades exercidas, efetuada pelo respectivo tutor, baseada no seu Plano de Atividades;

VI - não tiver faltas injustificadas no mês de referência, em relação às atividades.

 

CAPÍTULO VIII

DO DESLIGAMENTO DO BOLSISTA

 

Art. 19. O desligamento do bolsista do Bolsa Permanência ocorrerá:

I - por solicitação formal do bolsista;

II - por solicitação do tutor do Plano de Atividades, devidamente justificada, ao Comitê Local de Acompanhamento de Bolsas da Unidade Universitária da UEG, para emissão de parecer a ser encaminhado à Coordenadoria Central de Bolsas, para a devida deliberação e exclusão;

III - pelo não comparecimento às atividades sem motivo justificado, no decorrer do mês;

IV - pela não realização das atividades propostas;

V - em caso de trancamento de matrícula, abandono ou conclusão do curso;

VI - quando houver sofrido penalidade disciplinar;

VII - quando for bolsista de outro tipo de bolsa concedida pela UEG e/ou outros programas oficiais;

VIII - quando deixar de efetuar a solicitação de renovação da bolsa;

IX - quando o desempenho acadêmico for insuficiente, com reprovação superior a 2 (duas) disciplinas; (Nova redação dada pela Resolução n. 2/2015, Ad Referendum, homologada)

IX -     quando o desempenho acadêmico for insuficiente, com reprovação por faltas ou média final;

X - se ultrapassar o tempo máximo de integralização do curso;

XI - se constatadas, a qualquer tempo, alterações em sua situação socioeconômica que não mais justifiquem sua permanência no Programa;

XII - pela prática de atos não condizentes com o ambiente universitário, nos termos da disciplina própria da instituição, garantida a ampla defesa e o contraditório;

XIII - pela apresentação de documentos ou informações inverídicas, quando solicitados, ou for detectada qualquer irregularidade dentro do que foi estabelecido para a inserção e a continuidade no Programa;

XIV - nos casos previstos no art. 9º da Resolução CsU n. 002/2013, que regulamenta o Programa Próprio de Bolsas da UEG, em atendimento aos arts. 1º e 2º da Lei n. 17.934, de 27 de dezembro de 2012.

 

CAPÍTULO IX

DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

 

Art. 20. O acadêmico contemplado com a Bolsa Permanência não terá, para qualquer efeito, vínculo empregatício com a UEG.

 

Art. 21. A concessão da Bolsa Permanência deverá ser periodicamente avaliada quanto à efetiva ampliação da permanência e ao sucesso acadêmico, científico, profissional e cultural dos acadêmicos matriculados, bem como das condições de sua vulnerabilidade social e econômica.

 

Art. 22. Os casos omissos neste Regulamento deverão ser analisados e deliberados pela Coordenadoria Central de Bolsas.

BR 153 Quadra Área, Km 99, Anápolis-Goiás